Como melhorar a vida do paciente alérgico?

Impactos no cotidiano e o papel fundamental do farmacêutico no tratamento da doença.

Saúde e Bem-Estar

Tempo de Leitura: 6m

Casos de alergia vêm crescendo em todo o mundo com o passar do tempo. Segundo um estudo publicado pelo World Allergy Organization, em 2015, isso acontece por conta das mudanças ambientais, dietas e estilo de vida que ocorreram nos últimos 50 anos. Mesmo atingindo uma parcela tão grande da população mundial, casos de alergia, desde as mais leves até as crônicas, possuem um forte impacto na vida dos pacientes, tanto no psicológico quanto na adoção de comportamentos que facilitem o convívio com a condição.

Muito se fala sobre o impacto causado pelas alergias no cotidiano dos pacientes. Sejam elas respiratórias, dermatológicas ou alimentares, todas as alergias necessitam da adoção de hábitos específicos, a fim de evitar reações, que podem ser leves ou crônicas. Os impactos são tantos, que um estudo publicado na revista Frontiers is Psychiatry analisou a relação entre alergias, como asma, rinite e alguns tipos de dermatite, com o desenvolvimento de ansiedade e depressão.

A importância do profissional de farmácia

Sabe-se que um dos principais impactos na vida de um paciente alérgico vem do desconforto que os sintomas da alergia causam no dia a dia. Seja pela coceira causada por urticárias ou pelo entupimento nasal causado pela rinite alérgica, que podem atrapalhar até o sono de pacientes portadores dessa doença, é fato que estes sintomas trazem complicações mais sérias, se não tratados corretamente.

Para amenizar os sintomas, existem diversos tipos de antialérgicos disponíveis e que não necessitam de prescrição médica para a compra. Mas, apesar da facilidade em adquirir tais medicamentos, muitas vezes os pacientes sentem-se confusos na hora de escolher a melhor opção para sua condição. E é neste momento em que o profissional de farmácia deve se atentar em agir da melhor forma.

Segundo a Organização Pan-Americana da Saúde, é papel do farmacêutico, por meio da Assistência Farmacêutica, tomar uma série de medidas para obter resultados concretos e melhorar a qualidade de vida do paciente. Além dessas medidas, o atendimento ao paciente é fundamental e para isso, a empatia se faz extremamente necessária. Entender os desconfortos causados pelos sintomas da alergia e como o paciente se sente em relação à doença são boas práticas para ajudar qualquer profissional de farmácia a criar um vínculo e chegar a uma solução para o problema, que muitas vezes vai além da própria alergia. Além disso, muitos pacientes não compreendem, de fato, os perigos da automedicação. Por isso, é importante que o profissional de farmácia, além de conhecer os efeitos e as contraindicações, saiba instruir de forma clara como administrar o medicamento.

Essas competências são essenciais para que o profissional de farmácia seja fundamental não somente no tratamento dos sintomas da alergia, mas, também, na solução de um problema que pode se tornar muito maior, caso não receba a devida atenção.

Referências consultadas:

Tzeng NS, Chang HA, Chung CH, et al. Increased Risk of Psychiatric Disorders in Allergic Diseases: A Nationwide, Population-Based, Cohort Study. Front Psychiatry. 2018; 9:133. Disponível em: . Acesso em: 10 junho, 2020.

Gomes RN, Silva DR, Yonamine GH. Impacto psicossocial e comportamental da alergia alimentar em crianças, adolescentes e seus familiares: uma revisão. Arq Asma Alerg Imunol. 2018;2(1):95-100. Disponível em: < http://aaai-asbai.org.br/detalhe_artigo.asp?id=854>. Acesso em: 10 junho, 2020.

Arruda LK, Melo JML. A epidemia de alergia: por que as alergias estão aumentando no Brasil e no mundo? Braz J Allergy Immunol. 2015;3(1):1-6. Disponível em: . Acesso em: 10 junho, 2020.

Organização Pan-Americana da Saúde – OPAS Brasil. Assistência Farmacêutica. Disponível em: <https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=356:assistencia-farmaceutica&Itemid=454#:~:text=Assist%C3%AAncia%20Farmac%C3%AAutica%20%C3%A9%20o%20conjunto,e%20ao%20seu%20uso%20racional.>. Acesso em: 18 junho, 2020.

D’Amato, G., Holgate, S.T., Pawankar, R. et al. Meteorological conditions, climate change, new emerging factors, and asthma and related allergic disorders. A statement of the World Allergy Organization. World Allergy Organ J 8, 1–52 (2015). Disponível em: < https://link.springer.com/article/10.1186/s40413-015-0073-0#citeas> Acesso em: 10 junho, 2020.

-


Conteúdos relacionados


Quem viu este também viu: