Queda no consumo de frutas em adultos e idosos e possíveis impactos na saúde.

Queda no consumo de frutas em adultos e idosos e possíveis impactos na saúde.

Saúde e Bem-Estar

Tempo de Leitura: 7s

A vida de quem hoje vive nos grandes centros urbanos não é nada fácil: correria com trabalho, estudos, filhos, casa... dar conta de todas essas tarefas demanda muita energia e dedicação, e faz com que muitas vezes o corpo dê sinais dessa sobrecarga - e é aí que aparecem sintomas, como estresse e fadiga.

E para piorar, sabemos que nem sempre a alimentação do dia a dia é a ideal: a falta de tempo para preparar e até mesmo para comer, faz com que as refeições muitas vezes sejam monótonas, sem conter todos os nutrientes necessários para ajudar o corpo nesta batalha diária.

No maior e mais recente levantamento nacional sobre consumo alimentar dos brasileiros (POF 2017-2018), é possível ver que a frequência de consumo de frutas reduziu em relação à última versão da pesquisa (2008-2009). Abacaxi, banana, laranja, maçã, mamão, manga, melancia... todas essas frutas apareceram menos na alimentação do adulto brasileiro, que no geral foi de 45,4% em 2007-2008 para 37,4% em 2017-2018 1. Isso sem dúvida representa menos nutrientes essenciais para o corpo - e menos nutrientes no corpo podem levar a diferentes sintomas, como fadiga (que ocorre quando há falta de vitamina C, por exemplo), falta de disposição, redução na imunidade, queda de cabelos, palidez, entre tantos outros prejuízos 2.

E quando se fala de seniores, a situação é ainda mais delicada. Isso porque conforme o corpo envelhece, algumas funções deixam de operar como antes, como a imunidade – que impacta diretamente na vitalidade, autonomia e disposição! Estudos mostram que entre os 60 e 65 anos de idade, a imunidade começa a cair gradativamente3, o que faz com que o consumo de vitaminas e minerais dentro das recomendações seja ainda mais importante. Porém, nesta população também foi possível ver a queda na frequência de consumo do grupo das frutas, passando de 70,2% em 2008-2009 para 61,7% em 2018-20191.

Assim, para ajudar a manter a disposição na vida adulta e na melhor idade, o consumo de vitaminas e minerais através de suplementos pode ser uma ótima opção para atingir a recomendação diária destes nutrientes, e assim manter a vitalidade necessária para qualquer etapa da vida.

 

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

  1. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Pesquisa de orçamentos familiares 2017-2018: análise do consumo alimentar pessoal no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE; 2020.

 

  1. Vannucchi H, Rocha MM. Ácido ascórbico (Vitamina C). In: ILSI Brasil – International Life Sciences Institute do Brasil. Funções plenamente reconhecidas de nutrientes. São Paulo: ILSI-Brasil, 2014. v. 21, 11p. (Série de Publicações ILSI Brasil). Disponível em: < https://ilsi.org/brasil/wp-content/uploads/sites/9/2016/05/21-Vitamina-C.pdf>. Acesso em: abril, 2020.

 

 

  1. Chandra RK. Nutrition and the immune system from birth to old age. Eur J Clin Nutr. 2002; 56 Suppl 3: S73-6.

Queda no consumo de frutas em adultos e idosos e possíveis impactos na saúde.


Quem viu este também viu: